Gonçalo Ribeiro Telles a propósito dos incêndios. Transcrito pelo João Miranda no Blasfémias

Leiam e depois falem
.....................................................................................
[o post é meu. O musaranho é que tinha usurpado a assinatura...]
(by the way, não sei se o meu querido arquitecto é assim tão bom como o JM- ou vice versa... mas ia jurar que nenhum deles aborrece)Mas façam como ele diz. De caminho leiam também o Orlando Ribeiro

8 comentários:

Afonso Henriques disse...

...rapidinha mas certeira!
welcome back!
GRT é um exemplo de juventude bem no meio desta geração "tásse" de polegares hiperdesenvolvidos, memória curta e "anhanço" a mais.
;o)))

cbs disse...

Chegar aqui, na minha idade, e ver um gajo muito mais novo (o GRT) dizer aquilo que é óbvio e ninguém vê...

SÓ vivemos de mitos, cá nesta terrinha.
E os que estão "acordados" pregam aos peixes.

Ahab disse...

o artigo do ART é brilhante. E foi muito boa a tua ideia (tal como a do joão miranda) de o divulgarem!

Adoro este tipo de abordagens integradas ao desenolvimento, não só porque são as mais correctas, como também porque derrubam uma serie de ideas feitas que pululam nas cabecinhas bem pensantes deste pais.

Quem diria que o Ribeiro Telles, monarquico com mais de 80 anos se mantem á frente de todos os jovens tecnocratas deste pais (e especialmente à frente dos marialvas ribatejanos em têm representado a causa monarquica nos ultimos tempos)?

Um rebelde com causa.. ou apenas um homem decente que percebe do que fala?

Ahab disse...

Não ART mas sim GRT... as minhas desculpas pela gralha.

zazie disse...

o GRT é um grande senhor e um dos maiores conhecedores do assunto.

É ná única pessoa que voto por gosto.
(como por desgosto também não voto, já estás a ver...)
";O)


(mas ele afastou-se da direcção actual do PPM. É um monárquico muito especial.
A Lista Alfacinha foi a única coisa que me envolveu
politicamente. E conseguiu tirar a maioria ao Abecassis ";O)

bjs que até Setembro a net vai ser só de vez em quando

TMara disse...

ambos fizeram mtº bem em divulgar. Bom f.s. Bjs e;)

Manuel Resende disse...

Claro que sim, caro musaranho, estou de acordo com isto:

«A França, nas zonas de mato, tem uma política de aromáticas de abastecimento da indústria de perfumes. A questão, hoje, é criar uma mata que produza madeira, mas que se integre nos agro-sistemas, uma paisagem sustentada, polivalente e nunca repetir, como já querem, a plantação de eucaliptos e de pinhal. As populações estão fartas disso e devem ser chamadas a depor. E tem que haver duas intenções ecológicas fundamentais: a circulação da água e a circulação de matéria orgânica, aproveitando-a para melhorar as capacidades de retenção da água do solo.»

É isso que tento com as minhas parvas ou parcas capacidades.

Duvido que haja mais de vinte. Sobretudo esse Blasfémias, que deve pôr isto na lapela aos domingos, mas não tem as unhas sujas.

portugal da silva disse...

...já li! Nem me apetece dizer nada...