Alguém tinha dúvidas que o Vitinho hegeliano era um doutor?




De estetoscópio e bata branca; que isto de passar de blogger a deputado é pouco, para quem esbanja 180 dias de ouropéis filosóficos apenas por 20814,72 euros em troca.








[via anónima de janelinhas]

10 comentários:

JVA disse...

Mentes pérfidas poderão insinuar que há por aí trafulhice, mas não acredito. A participação no blogue “Simplex” foi, como se sabe, um “acto espontâneo de pessoas que apoiam o PS desinteressada e gratuitamente”, pelo que a explicação terá de ser outra.

Se isso é uma recompensa pelo seminal “ensaio” intitulado “Hegel e o Irão” – raios me partam, é merecido. Aquele pequeno e mísero “post” fez mais pelo meu riso do que cartapácios inteiros do Eça ou do Cervantes, ou do que os hilariantes devaneios do Jaquináceo.

Se, pelo contrário, é um prémio pelos impropérios dirigidos ao Gonçalves dos Pequeninos, não serei eu a atirar a primeira pedra - a menos que a dita tenha como alvo o referido Gonçalves. E, pela minha saudinha, não falo apenas em sentido metafórico.

zazie disse...

ehehe

No caso da segunda hipótese, ia jurar que luta na lama seria mais apropriado.

JVA disse...

:-))

Isso pressuporia uma proximidade física que não sei se consigo tolerar. Mas, se ele se abstivesse de tresler o Céline a cada dois grunhidos, umas bengaladas pelo lombo abaixo vinham a calhar.

zazie disse...

Mas não, que nada. Estava a referir-me ao filósofo com o "operático"

":O)))

JVA disse...

Duvido: esse “operático” anda demasiado ocupado a farejar “anónimos”. E, para lama, já lhe basta a que lhe enche a cabeça.

zazie disse...

A lama entre ele e o Galamba.

Quanto aos anónimos, levou uma em troca do Valupateta xuxialista com muita piada.

Teve a triste ideia de citar o Céline para estas tretas e usou a expressão "anónimos de cu".

Dá para imaginar a resposta do outro. Foi de se morrer a rir. Lembrou-lhe as casas de banho da especialidade onde até se perde o nome com gosto por por cu oferecido.

JVA disse...

Eu percebi, ora essa, eu percebi - só não fui claro. Quando escrevi "duvido", queria ter escrito "duvido que o operático alinhe", dado o tempo que a nobre gesta contra os "anónimos" lhe rouba.

Acho que me recordo dessa resposta, na sequência da tal labreguice das "ténias". Creio que até terá sido nessa altura que troquei uns mimos com o tipo a propósito do Céline, onde também me lançou em rosto esse terribilíssimo epíteto de "anónimo". Desde então, passei a apresentar o BI, o número de contribuinte, a cédula de nascimento e uma fotografia tipo-passe de cada vez que cometo a ousadia de comentar um post. Longe me mim importunar os coca-bichinhos da blogolândia.

zazie disse...

Ah, desculpe, estava tolinha de todo.

Pois, essas pancadas são muito antigas. Mas comigo o resultado é o oposto. Como sou do contra, só por chatearem com o anonimato é que agora é mesmo só nick- daqueles com ar de nome de animal ou de artista de musicóle- como costumam dizer.

Mas, quando pedem com bons modos, costumo apresentar-me como técnica de informática e um nome viável- tipo Margarida quelque chose da Silva, ou Vasconcellos, se for beto.

E eles ficam enternecidos com a identidade e despedem-se sempre com cumprimentos.

Henrique Dória disse...

Não resisto. Aqui fica: nada se perde, tudo se transforma.Vá, dá uma saltada ao odisseus.

zazie disse...

Olá rapaz. Está bom?

Fui lá mas aquela treta não deixa comentar nada. Diz para copiar caracteres que não se vêem.

Beijocas

Que tal vai esse aventalinho, viçoso como o dono?

":OP