A ler, VPV, no Público de hoje

(...) não ando a dormir e, em 30 anos, já pude perceber que os maiores "beneficiários" do regime não foram com certeza as criaturas um pouco patéticas que acabaram na televisão e nos jornais. O tráfego de influência, a fraude a sério, o negócio verdadeiramente corrupto, ficam por força e tradição entre indivíduos muito respeitáveis, que ninguém conhece e que nunca por nunca fazem falar de si. Ainda por cima, o grande crime, bem guardado por um exército de advogados, consegue conservar uma ficção de legalidade: uma assinatura aqui, um despacho ali, uma conversa acolá - e as coisas correm docemente.
(...)
Apoiando este extraordinário grupo, o eleitorado, ou pelo menos parte dele, está a comunicar à justiça e aos partidos: "Todos roubam. Toda a política é um roubo organizado, que os senhores protegem. Escusam de nos dizer que eles são piores - não são. São até melhores porque nos trataram bem. Se agora resolveram limpar a casa, comecem por outro lado." Se os três ganharem, ou se um deles ganhar, não importa qual, é o regime que perde. Não vale a pena inventar desculpas. Quando o voto rejeita expressamente a decência comum, não se pára mais.

6 comentários:

Conceição Paulino disse...

tristes verdades. Bom domingo

zazie disse...

para ti também
bjs

cbs disse...

Ai Zazie!...
Nós (portugas) merecemo-nos.
É a conclusão triste...

Sinto-me mal :(
Um dia destes meto-me num convento.

zazie disse...

num convento?!?

ehehe então cuida-te não apareça por lá eu à cata de gárgulas e me perca nas camaratas como aconteceu no Varatojo

loooooooooolll
":O))))

verdade! foi sem querer mas perdi-me e era cada gritinho de monge quando me viam
ehehe
e eu cada vez mais atrapalhada em bicos-dos-pés e encostada à parede com a máquina e mais o tripé e mochila às costas
o monge-mor ia-me levando dali para fora por uma orelha
":O))
coitados. Gosto tanto de fradinhos

cbs disse...

:)
Deves ser o terror do Fradinhos.

Olho Pineal disse...

oferta da casa: http://antologiadoesquecimento.blogspot.com/2005/09/o-povo-sempre-fingir.html