O rock revisto pelo abominável césar das neves












Esta é apenas uma das capas da série que a rapariga mais azougada da blogosfera e arredores acabou de postar.

[até apetece abrir excepção e enviar fwds com todas elas]

Nota de última hora: não se esqueçam de votar que as tiverem mais votos vão ser enviadas ao artista.



Adenda [31/3] as capas foram enviadas ao artista. O artista que é um bom artista respondeu com todo o fair Play- e montou um rato. Saravá meu povo. Finalmente monta!
Long live the new flesh!
AIC forever!

(só o musaranho é que não achou assim tanta piada à escolha)
.............................
dúvidas que se me levantaram-
se forem budistas podem ouvir rock ou apenas easy listening?
e se gostarem rap estão condenados à Universal?
se for só clássica podem aderir aos Adventistas ou a clássica está reservada aos Mormons?
ficará bem a cantor de ópera converter-se aos Jeovás?
e os surdos, senhor césar? que lhes acontece? ficam no limbo a penar, dão-lhes borlas à sexta à noite, ou têm lugar reservado no céu?

3 comentários:

sabine disse...

Mais uma vez surpreende-me pela positiva (LOL LOL LOL)

Ahab disse...

É uma das crónicas mais lunáticas do homem.

Então a altura em que ele fala no Bryan Adams e no elvis (o elvis mau do anos 70, ainda por cima!) é de ir às lágrimas!! E os rituais dionisiacos da ida à discoteca!

zazie disse...

ahhahahaha é mesmo uma peça de antologia. Melhor que o saudoso Serafim Saudade
":O)))

mas as capas da Triciclo Feliz estão uma loucura