Psycho
Hitchcock-60
Douglas Gordon- 93
Gus Van Sant- 98


Two forty three P.M.

Never eat your lunch, did you?

I pay too

People never run away from anything

Well, I ain’t about to kiss of $400.000. I’ll get it back and if any of missing I’ll replace it with her fine, soft flesh

You have something that most girls don’t have. There’s not a name for it but it’ something that puts a person at ease

A boy’s best friend is his mother

Sam!
[e a irmã é agora uma matolona de phones ao pescoço]


I’m sorry boy but you look lubricious when you give me orders [e o Bates de Van Sant sobe as escadas bamboleando o traseiro]

[os brinquedos no Hitchcock; a revista porno no Van Sant]


Bethoven versus country
- Did he kill my sister?
- Yes. And no
- Now, look: if you’re laying some psychiatric groundwork for some sort of plea for him.
- A psychiatric doesn’t lay the groundwork, he merely tries to explain it.


[e o Van Sant perdeu o humor negro do Hitch...]

video projection, 24 hours ready-made do suspense, suspendido pelo tempo de um dia
"I wanted to maintain the authorship of Hitchcock so that when an audience would see my 24 Hour Psycho they would think much more about Hitchcock and much less, or not at all, about me" -Douglas Gordon

7 comentários:

Flávio disse...

A única coisa que a versão do Gus van sant teve de bom foi a sequência de abertura, realizada segundo as intenções do próprio Hitchcock, mas que o Mestre nunca conseguiu levar a cabo por razões técnicas.

Quanto ao maravilhoso original, bem, já tudo foi dito. Vi-o pela primeira vez na nossa querida Cinemateca e recordo que foi uma experiência colectiva fantástica: o público, que já conhecia o filme de cor, enchia a sala e gritava e saltava a cada facada! No final, todos sorríamos, aliviados e felizes por estarmos vivos - coisa que os gregos chamavam de 'catarse'.

50 anos depois, o filme ainda funciona e como!!

beijinhos, zazie

P.S.: A propósito, o magnífico plano dos olhos da janet Leigh tem, apesar de todos os cuidados do Hitch, algumas falhas - v.g. as gotas de água que escorrem do cabelo ou o pormenor da dilatação das pupilas.

Flávio disse...

Mais algumas falas deliciosas:

«I don't, that's why I get to keep it»

«with her fine soft, flesh»

«We all go a little mad sometimes»

«Maybe you think I'm fruity»

zazie disse...

O que acho piada no Van Sant foi chamar os bois pelos nomes. A Julianne Moore a fazer de matolona e a dar um bruto pontapé no Bates, o tipo com ar de mariconço a abanar o rabinho, e por aí fora. Quanto ao início conta lá o que é que o Hitch não pôde fazer que eu não sei esses detalhes. E também não sabia desses erros no chuveiro. Conta lá rapaz!
Eheh beijocas


Mas o Gus van Sant perdeu aquela parte final do mestre com a "lição de psicanálise" na esquadra. Ele passava a vida a gozar de forma muito subtil com as interpretações psicanalíticas e aqui não escapou

Flávio disse...

Não me recordo do desfecho do Gus Van Sant, mas se calhar ele saltou as explicações psicanalíticas por achar que eram demasiado longas e palavrosas - aliás, há muita gente que, bem ou mal, critica essa sequência do filme original (a mim, não me incomodou nada, mas pronto). Quanto à abertura do re-make, é realmente fantástica: num único plano, a câmara voa sobre a cidade e esgueira-se de mansinho pela janela dos dois amantes; o original não foi tecnicamente tão perfeito, houve ali algumas truncagens pelo meio.

triciclofeliz disse...

já nem sei por quê, mas aposto que pelo critério de embirração - nunca vi o do van sant. depois de ver isto, já não falta muito para o ver. já tinha saudades dos posts à janela indiscreta : )

zazie disse...

Metropolis: prefiro o traveling inicial do Hitch porque ainda mostra a persiana... e depois esse tal final parece-me muito mais uma sabotagem das explicações psicanalíticas que outra coisa. Quando ela pergunta se foi ele que matou a irmã e o tipo diz “yes and no” e se põe com tretas psico é cá uma coisa...

beijocas

zazie disse...

ehehe ando sem tempo para estas macacadas mas às vezes dá vontade. Tu é que sempre que entras em cena é em cheio.
Sabes que na terça-feira cruzei-me com o doido do Abominável, mesmo perto da sé e estive com vontade de lhe perguntar pelos cartazes

ahahaha
verdade, foi por pouco, ainda o olhei bem... até reparei que anda com uma medalhinha qualquer na lapela
se calhar é miniatura da do rato ":O)))