"O favor do Altíssimo não permite, naturalmente, ao "povo eleito" distinguir entre o seu interesse e a justa perseguição do Mal, onde ele levanta a sua medonha cabeça. Tanto pode intervir racionalmente, segundo a estreita visão da matéria pecadora, como em 1917, em 1941 ou na contenção da URSS, como pode partir em cruzada para o Vietnam, o Cambodja e o Laos, sem outro objectivo excepto a busca e destruição do Diabo e da sua obra. As considerações que levaram à guerra do Iraque são desta ordem do inefável, se não seriam da ordem de uma inexcedível estupidez, coisa em que dói acreditar. Apesar do prudente desmentido da Casa Branca, não há dúvida de que Deus falou com o seu filho George e lhe apontou o caminho da nova Babilónia. Até porque, se Deus não o salva, não o salva ninguém."


..............................................................................

(Adenda: dado o comentário do Dragão, aqui fica o texto na íntegra e que se lixre se é ilegal. Também há muita coisa fora da lei que não deixa de ser respeitada por isso...)

"ACasa Branca desmentiu que George Bush tenha falado pessoalmente com Deus. Parece que, ao contrário do que disse na BBC um palestiniano suspeito, Deus não mandou Bush para invadir o Afeganistão e o Iraque. O episódio fez rir muita gente. Não se percebe. Desde Wilson que, em matéria de política externa, Deus fala aos Presidentes da América. Falou comprovadamente com Wilson, com Roosevelt, com Truman, com Eisenhower, com Kennedy, com Johnson e com Reagan. Presumivelmente só não falou com Nixon, por causa de Kissinger, e com Clinton por motivos de ordem estritamente privada. De resto, Deus sempre guiou a América com a maior solicitude, pela simples razão de que a América é a sociedade perfeita e Deus quer que o mundo seja todo como ela ou, pelo menos, quase como ela.
Os 14 pontos de Wilson em que assentou a paz na Europa em 1918 ("A Deus bastaram dez", comentou cinicamente Clemenceau, um jacobino e um pedreiro-livre) vieram com certeza do Céu, porque a situação na terra não permitia que se aplicassem e tornava inevitável uma segunda guerra dentro de pouco tempo. Roosevelt, como a nossa pastorinha de Fátima, e talvez pelas mesmas razões, também acreditava na conversão da Rússia, embora um nada prematuramente, e tratou Estaline com a maior e a mais santa benevolência. Esse erro compreensível da fraqueza humana foi corrigido por Truman, a quem Deus revelou, desta vez sem ambiguidade, a natureza do Bem e do Mal. O Bem era a América e o Mal o que não era americano, como logo percebeu o senador McCarthy, que expurgou a América do que não pertencia à sua verdadeira substância.
O favor do Altíssimo não permite, naturalmente, ao "povo eleito" distinguir entre o seu interesse e a justa perseguição do Mal, onde ele levanta a sua medonha cabeça. Tanto pode intervir racionalmente, segundo a estreita visão da matéria pecadora, como em 1917, em 1941 ou na contenção da URSS, como pode partir em cruzada para o Vietnam, o Cambodja e o Laos, sem outro objectivo excepto a busca e destruição do Diabo e da sua obra. As considerações que levaram à guerra do Iraque são desta ordem do inefável, se não seriam da ordem de uma inexcedível estupidez, coisa em que dói acreditar. Apesar do prudente desmentido da Casa Branca, não há dúvida de que Deus falou com o seu filho George e lhe apontou o caminho da nova Babilónia. Até porque, se Deus não o salva, não o salva ninguém.

9 comentários:

dragão disse...

O VPV também já aderiu ao anti-americanismo primário?!... :O)

Mas isto, convenhamos, são histórias da Carochinha. Acreditar que a actual máquina americana depende das telhas místicas dum títere é duma ingenuidade confrangedora (ou Bushiana). E, aí sim, perigoso.

Ah-ah, e também já tens sistema anti-spam!... Também aderiste à paranóia securitária!... :O))

zazie disse...

é pá estou tramada. Detesto esta porcaria dos enigmas de letras para decifrar no final do comentário. O problema é que já nãoconseguia apagar. Eram às dezenas. Até fiquei com vontade de escrever para uns a insulta-los. Dantes fazia isso e dava resultado.

Quanto ao VPV leste o texto todo?

é que se leste nem faz sentido o que dizes. Ele escreveu um enorme gozo em "perspectiva ateia" ":O))
Fes o historial de todos os diálgoos entre o Altíssimo e os presidentes americanos e até ´diz que só ficou de fora o Clinton por razões que cá sabemos...

ahahahah

(às tantas ainda posto aqui o texto todo e que se lixe...)

dragão disse...

Lógico que eu não tinha lido o VPV. Achas que gasto dinheiro a comprar lixo? (refiro-me ao jornal, não ao VPV, obviamente).

Agora que já li, reforço a primeira asserção: "Isto é de um anti-americanismo primário" (também já ando a prognoplagiar o VPV, pasme-se); e mantenho, no essencial, a segunda: são "histórias da Carochinha".
Nada disto invalida a justeza da mofa, mas o que é que se passava com o VPV quando escreveu isto? Estava sóbrio?... :O))

Agora a sério: estou plenamente convicto que os presidentes americanos têm uma linha directa para Deus; eles e o Pacheco Pereira, bem entendido.

dragão disse...

Claro está, permite-me que acrescente, se não ocorrer o caso de Deus e o Pacheco Pimba serem uma e a mesma pessoa. O que implicaria, acho, mas deixo ao Timshel para posterior análise, a substituição/actualização do dogma trinitário por um quaternário: em vez do Deus 3 em 1, teríamos o Deus 4x4. Ou dito à americana, como convém: Um Deus SUV.

zazie disse...

Eu às vezes não te entendo, Dragão. Mas se isto é um gozo, como muito outros gozos que ele gosta de fazer, porque motivo é que tinham de ser “histórias da carochinha” em que ele acreditaria? Que diabo, então ele não foi sempre contra a guerra do Iraque e não explicou sempre os motivos? E não previu o desastre do resultado precisamente porque nem com muito interesse e “estratégia de vender democracia” aquilo alguma vez podia resultar? Não foi ele quem comparou a um Vietnam?
Não percebo a tua dúvida? ... que o VPV acredite ou interprete as acções do Bush como uma fezada religiosa? Mas estás louquito? Então não está mais que visto que ele goza é com a propaganda que vende essa ideia?

Eu não estou de acordo com tudo o que o VPV começando logo pelo principal que é a tal fesada no liberalismo. Porque essa questão é que não sei mesmo. Não faço ideia do que é melhor e nunca aprenderei nada sobre o assunto se não me der para perder tempo e estudar qualquer coisa mais objectiva, como por exemplo o sistema italiano. Agora quanto a esta treta da América bushiana está visto que o VPV limita-se a ser sensato. Não embandeirou em propagandas à JPP porque também não tem trauma esquerdoide mal digerido “;O)

zazie disse...

ok, estás a gozar mas tinhas de embirrar com o VPV por tradição ":O)))

quanto ao JPP era mais capaz de acreditar numa descendência luciferina em via directa ":O)))

(aliás, lembro-me muito mal mas sei que uma vez o VPV sugeriu esse lado pérdido no JPP e olha que é bem notório. E ainda por cima é um sujeito com total ausência de sentido de humor- se não se julga Deus tem de ser Lúcifer em pessoa ":O)))

dragão disse...

Estou a mangar contigo, ó Zazie. :O)
Não acompanho os artigos da criatura VPV, portanto não posso estar a discutir contigo, seriamente, as virtudes e as posições das mesmas.
Ultimamente, por atenção a uma certa pessoa, até deixei de embirrar com o gajo. Tenho outras prioridades, costados mais carecidos e cerdosos (e a ele, pormenor nada desprezível, sempre o salvou o "português").
E até gostei do artigo.
Mas isto é uma generosidade inaudita da minha parte: se ele não lê o meu blogue, porque raio havia eu de ler os artigos dele?...Ãh, não me dizes?... :O)

zazie disse...

tens razão, se ele não lê o teu blogue o mais que tens a fazer é retribuir. E ainda por cima um blogue que é um protérnio!
E hei-de-lhe dizer isso atendendo à generosidade para com um certa pessoa...

";O)))

mas acredito que ele devia estar bem aviado ao escrever isto ":O))

(fónix, isto para provar que não se é máquina com aquelas mensagens crípticas no rodapé é cá uma seca...- acho que vou insultar os tipos e tirar esta treta

Manuel Resende disse...

Este texto é como o Ricardo a defender penaltis sem luvas, digo eu.

Puxa que banalidades...

Fum fum